Arquivo para maio, 2005

Entrevista com FZ

Posted in Entrevistas on 15/05/2005 by Fabio Zaganin

Liquid Piece Of Me Session

Por Sérgio
Entrevista para o site
15 de Maio de 2005

Serj: Fabinho, como foi para você a experiência de gravar nesse CD?

FZ: Além de uma grande experiência, foi uma honra. Sou um grande admirador do seu trabalho e me senti lisonjeado pelo convite. Sabia que seria um grande desafio, fiz questão manter a mente aberta para qualquer sugestão em qualquer âmbito da gravação. Foi um grande prazer, tentei fazer o melhor.

Serj: Quando você entrou no estúdio comigo, sabia o que iria encontrar pela frente?

FZ: Não tinha a menor idéia! Conhecendo seus trabalhos solo podemos esperar por uma certa tendência, mas também conhecendo suas produções e trabalhos publicitários sabia que poderia encontrar outras vertentes. E acho aí esta a grande experiência. Conheci o material na hora, o que foi bom, fui para gravação sem nenhum vício ou pré conceito. Você me mostrou todo o conceito que envolvia o álbum, passando por cinema, fotografia, teatro… Fui com a cabeça aberta e fiquei com ela cheia de novidades, idéias e inspirações.

Serj: Qual é, na sua opinião, a maior dificuldade em uma gravação dentro de um estúdio?

FZ: Alguns fatores influenciam decisivamente em uma gravação: 1. a sonoridade: meu equipamento e o equipamento estúdio. 2. a produção: o bom entendimento com o produtor, técnicos e funcionários. 3. o conceito: o que o artista e/ou produtor pretende passar com a obra. 4. o psicológico: estar preparado para as mais diversas situações musicais, psicológicas e físicas…no bom sentido! 5. o astral: tanto do espaço físico do estúdio quanto das pessoas que estão envolvidas no projeto. Qualquer um destes itens podem se tornar dificuldades ou facilidades.

Serj: E como você se prepara para essa situação?

FZ: Organização, disciplina e manutenção. Considero três fatores importantíssimos para a sonoridade, a produção, o conceito, o psicológico e o astral. É óbvio que isto não é uma receita, é preciso ter jogo de cintura, e mesmo assim a coisas podem não dar certo. Neste último caso relaxe….

Serj: Eu conheço o teu trabalho como sendo de um estilo mais rock e blues. Você curte tocar outros tipos de música?

FZ: Tenho a tese de que o estilo que você gosta, por mais que você ao longo da carreira tenha outras influências ou passe a gostar e entender outros estilos, é com ele que você vai até o final. Sou apaixonado por Rock nas mais variadas ramificações e em sua raiz, o Blues. Passei a trabalhar durante uma fase com artistas de  Blues e R&B pela escolha de não me desviar demais do que gosto. Porém acho primordial você pesquisar e ter referências sobre os mais variados seguimentos. Sendo assim passei a trabalhar com artistas de MPB, Funk, Soul e Jazz. Outro fator que me levou a gostar e tentar tocar outras ondas foi o contrabaixo. É praticamente impossível, mesmo que você seja o baixista de Rock mais ferrenho do mundo, não ouvir: Nico Assumpção, John Patitucci, Arthur Maia, Jaco Pastorius, Arismar do Espírito Santo, Marcus Miller, Serginho Carvalho, Michael Manring, Max Robert, Stanley Clarke, Cláudio Machado, Chico Gomes, Celso Pixinga e outras dezenas de baixistas extraódinários…….

Serj: Eu sei que você dá muita aula de contrabaixo. Como você vê essa situação de hoje em dia, aonde muitos músicos que não gostam de ensinar (ou até não sabem) estão dando aulas, simplesmente para poder pagar as contas no fim do mês?

FZ: Acho muito triste uma pessoa fazer o que não gosta. Como isso acontece em todas as profissões, acho que o mínimo que a pessoa pode oferecer é a honestidade e conhecimento. Infelizmente como isso também não vem do berço de todos, acho muito importante que o aluno pesquise a carreira e as referências do “profissional” com quem vai ter aulas particulares ou em uma escola de música.

Serj: Qual conselho você daria para quem está procurando um bom professor?

FZ: O aluno é o patrão, sendo assim ele vai procurar o melhor profissional para sua empresa. Todo profissional tem um curriculum/release ou website para expor sua experiência e trabalhos. Você provavelmente se espelha no professor. Educação, disciplina e respeito são qualidades que você deve procurar. Além de conhecer sua carreira, conheça seus alunos, se tiveram uma boa orientação provavelmente tocarão bem. Uma boa aula deve ter um bom planejamento com Harmonia, Rítmica, Técnica,
Groove e Repertório. Em uma aula tem de haver prática. Veja seu professor tocando em shows, gravações, workshops e “na aula”. Se ele tem o mapa da minha, faça te mostrar o ouro.

Serj: Quais qualidades são as mais importantes em quem dá aulas?

FZ: Disciplina, organização e manutenção, aliados a um bom planejamento,
seja para aulas particulares ou em grupo. Não podemos esquecer também que apesar da relação Professor/Aluno, Contratado/Contratante, são duas pessoas trocando e compartilhando informações sobre um assunto que gostam. Não acho necessário você se tornar íntimo, mas uma boa amizade, humor e respeito lapidam o resultado.

Serj: Fale um pouco sobre os instrumentos que você utilizou nas gravações do meu CD?

FZ: M.Zaganin 4 cordas Telemaster FZ model com captadores Seymour Duncam modelo PJ Quarter Pound. M.Zaganin 5 cordas Jazz Bass (sem trastes) com captadores DiMarzio modelo JJ Ultra Jazz. Fender 4 cordas Telecaster 1969 com captadores Rio Grande modelo JJ Mui Grande. Todos baixos com cordas Ernie Ball Roundwound 0.50 (G), 0.70 (D), 0.90 (A), 110 (E) e 130 (B). Detalhe: Levo todos para o caixão!!!!!!!
Serj: Você tem a sorte de ser irmão do Marcio Zaganin, que prá mim é o melhor luthier que conheço. Qual é a vantagem em se ter um instrumento feito sob medida, de acordo com as suas especificações?
FZ:
Inigualável. Ter um instrumento com as suas especificações é como aquele
sapato velho que você adora, como o seu travesseiro insubstituível, como aquele beijo daquela garota inesquecível. Não tem nada igual, é único. Agora imagine isso com a melhor qualidade que você pode encontrar em construção, hardware e acabamento….é isso.

Serj: Deixe uma mensagem para a galera que gosta de ensinar e gostaria de iniciar no ramo de dar aulas de teoria musical, ou em seus instrumentos…
FZ:
Para o professor acho interessante ser honesto, organizado, continuar estudando e se profissionalizar. É muito importante uma pesquisa constante sobre material didático e ser viril quanto ao nível que vai lecionar. Para o baixista acho importante continuar a eterna batalha para dominar o instrumento. porque e estude! De um modo geral acho importante você se manifestar tocando e compondo suas músicas, este é o seu legado.